Qual a história da invenção do primeiro avião?

Clarissa de Mattos Silva

Desde a antiguidade, o homem já expressava seu desejo de voar, seja por meio de desenhos e pinturas, ou por relatos da observação de pássaros. Desse modo, é de se esperar que tenham existido inúmeras tentativas de construção de ferramentas para alcançar o voo.

Por muitos anos, as pessoas acreditavam que poderia voar se possuíssem estruturas semelhantes às asas dos pássaros. As chamadas naves de propulsão humana, verdadeiros projetos de asas sintéticas, constituíram as primeiras falhas da aviação.

As primeiras máquinas de voo

Mais tarde, entre os séculos XVIII e XIX, ocorreu o primeiro voo bem sucedido de balão de ar quente. Construído por Bartolomeu de Gusmão, nascido no Brasil na época colonial, sua experiência fez com que o inventor se levantasse do solo por alguns minutos. Apesar disso, a invenção não exerceu influencias no modelo de avião que iria ser criado posteriormente.

O segundo voo noticiado na história do mundo foi realizado por Jean-François Pilâtre de Rozier e François Laurent d’Arlandes, dois franceses que realizaram um voo livre, também em um balão de ar quente. Essa máquina conseguiu subir até 26 metros do chão, concretizando um episódio de sucesso para o balonismo.

Por muitos anos, outros inventores passaram a utilizar o hidrogênio em vez de ar quente para subir ao céu. Mesmo assim, o maior perigo era o curso dos balões, que não podia ser controlado, e gerava muitos acidentes e tragédias.

Antecessores do avião: o dirigível e o planador

Foi apenas no século XIX que o dirigível foi inventado. Agora, o percurso feito pelo piloto podia ser controlado por meio de motores a vapor. Diferentemente de seus precursores, o dirigível se tornou um meio de transporte mais importante, chegando a ser utilizado até na Primeira Guerra Mundial para efetuar bombardeios.

Após esse período, já em meados do século, foi inventado o planador, máquina que conseguia realizar percursos controlados por certo período de tempo. Os primeiros protótipos do modelo surgiram em 1799, mas essa tecnologia começou a ganhar forma apenas a partir da década de 1880.

Otto Lilienthal, um cientista alemão, foi o principal nome da história dos planadores. Além de realizar melhoramentos frequentes em seus equipamentos, ele foi considerado a primeira pessoa a realmente fazer um voo controlado de planador, ou seja, um voo onde o piloto controla a máquina e seu percurso.

Apesar do progresso dos planadores, algumas questões ainda dificultavam a capacidade de voar. Uma delas era o equilíbrio da aeronave no ar, que até então não possuía estabilidade e era guiada pelo vento. Inclusive, foi esse aspecto que ocasionou a morte de Lilienthal, que sofreu um acidente aéreo causado por fortes correntes de ar, responsáveis por fazer a aeronave cair de 17 metros de altura.

O primeiro avião: controvérsias sobre sua autoria

Ainda no século XIX, as tentativas de criar um avião que decolasse sozinho eram crescentes. Porém, foi apenas em 1906 que um avião realizou seu primeiro trajeto e pode dar continuidade ao desenvolvimento da aviação.

Há uma controvérsia muito grande sobre a autoria desse primeiro voo. Alguns afirmam que esse crédito pertence a Santos Dumont, enquanto outros argumentam que, na realidade, foram os irmãos Wright que levantaram o primeiro avião da terra. Os irmãos Wright, entretanto, não costumavam fazer voos públicos, apenas com poucas testemunhas.

Outra questão utilizada para desconsiderar a autoria desses irmãos era o fato de que os seus aviões não eram capazes de levantar voo próprio, e precisavam ser lançados por catapultas ou impulsionados por ventos mais fortes. Porém, a verdade é que na maior parte do mundo reconhecemos os Wright como os verdadeiros autores do primeiro voo.

Santos Dumont, muitas vezes desconsiderado mundo afora, é conhecido no Brasil como “o pai da aviação”. Seu famoso avião, o 14-Bis, era capaz de decolar sozinho e em quaisquer condições de vento. Por isso, era uma máquina mais potente.

Os primeiros voos de Dumont foram realizados em balões de ar, em 1897. Depois dessa experiência, o inventor passou a se aproximar do estudo da aviação. Com isso, também começou a produzir balões e, mais tarde, pequenos dirigíveis.

Foi apenas com o 14-Bis, entretanto, que o piloto alcançou sucesso. O primeiro voo realizado por esse avião ocorreu em Paris, no dia 26 de outubro de 1906, e contou com ampla presença popular. Percorrendo 221 metros, a aeronave chamou a atenção da imprensa e de aviadores. O inventor produziu cerca de 15 modelos antes de sua última versão do 14-Bis.

É curioso pensar que o modelo de avião proposto por Dumont carregava um sistema de funcionamento parecido com os sistemas dos irmãos Wright. Porém, a capacidade de autonomia do 14-Bis fez com que ele se tornasse mais importante na época.

Logo depois desses episódios, Dumont produziu sua última máquina: o primeiro ultraleve do mundo, que ganhou o nome de Demoiselle. O resto de sua vida foi dedicada à produzir melhoramentos nos equipamentos de aeronaves já existentes.